Warscapes – A arte e a guerra

Uma nova revista eletrônica promete [e já cumpre] muita coisa legal para quem se interessa pelo tema da guerra – tão ligado à África no último meio século. O trecho abaixo é nossa tradução do editorial da revista, que pode ser acessada em http://www.warscapes.com

Warscapes é uma revista online independente centrada nos conflitos atuais em todo o mundo.

Warscapes publica ficção, não-ficção, poesia, entrevistas, resenhas de livro e filmes, ensaios fotográficos e retrospectivas da literatura de guerra dos últimos cinquenta anos.

Warscapes é motivada pela necessidade de ir além do vazio da cultura dominante no que se refere à representação de pessoas e lugares vitimados pela violência da guerra, bem como pela missão de divulgar a literatura que produzem.

Além de apresentar grandes escritos de zonas dilaceradas pela guerra, a revista é uma ferramenta para a compreensão de crises políticas complexas em várias regiões e serve como uma alternativa à parcialidade vigente nas representações dessas questões.

Africopoética na Rádio Comunitária do Campeche

Fui ontem à Rádio Comunitária do Campeche para participar do programa Pra Desterro Falar, apresentado pelo grande amigo Leozão. O assunto que motivou minha ida aqui do Travessão (Rio Vermelho) ao Campeche – uma jornada de três ônibus e duas horas – foi, vejam só, o mesmo deste blog. Confesso que subestimei minha própria capacidade de escapar do foco, mas o apresentador e os ouvintes, alguns dos quais ligaram para a rádio, me ajudaram bastante nesse quesito, o que, aliás, foi ótimo!
Literaturas Africanas, Música (Cesária Évora, Fela Kuti, afrobeat, marrabenta), intercâmbios universitários Brasil-África, “imperialismo lingüístico” brasileiro, Novo Acordo Ortográfico, relações África & Santa Catarina (o Grupo Sul e suas relações com os escritores africanos na década de 50), enfim, os tópicos variados e o feedback positivo de alguns ouvintes (Tomás, ficamos ambos em débito naquela troca musical! / Aidê, obrigado pela presença física) fizeram com que o tempo programado de uma hora para o programa se transformasse em quase duas.

Um grande abraço ao pessoal da Rádio, ao Leozão pelo convite e à comunidade do Campeche pelo excelente trabalho.

Pra Desterro Falar – Segunda feira das 20:00 às 21:00. Programa dedicado e composto juntamente com os movimentos socias da cidade e de outras regiões, destinado a discussões políticas e sociais. Entrevistas, debates e música. Apresentação de Léo (zão). Contato: leo@riseup.net

Aproveitem e ouçam Ayetoro, banda de afrobeat liderada por Funsho Ogundipe, pianista e compositor nigeriano:

Cláudia Semedo ”A televisão é o ginásio do actor”

O teatro dá-me muito gozo, mas um actor realiza-se a representar. Há muitas coisas que aprendi só na televisão, porque é um ritmo alucinante. Trabalha-se muito mais o músculo da memória. A televisão é o ginásio do actor em que se exercita velocidade, o tónus.

O Jornal de Notícias (Portugal) publicou hoje uma excelente entrevista com Cláudia Semedo (26), atriz (teatro e TV), apresentadora e radialista portuguesa. Ela vai fazer sua estréia nas telonas com O último voo do flamingo, adaptação de romance do Mia Couto sobre a qual já falei aqui.

Confira a entrevista na íntegra no sítio do Jornal de Notícias.