Religiosidade afro-brasileira (video)

O leitor Rafael Eiras nos envia uma sugestão de vídeo. Trata-se de uma série de vídeos sobre religiosidade afro-brasileira proferidas pelo professor José Flavio Pessoa de Barros,  um dos grandes pesquisadores sobre o tema na atualidade.

Salão das Literaturas Africanas na Bélgica

Notícia direto de Dakar, Senegal

A agência de notícias Panapress publicou hoje uma nota informando sobre um Salão das Literaturas Africanas Escritas e Orais na capital belga, Bruxelas, entre 5 e 7 de Fevereiro.

A idéia geral do evento, cujo título detalhado é “Salão dos Olhares Interculturais: autores africanos, leitores belgas“, é congregar editores e autores de diversos países para apresentar aos leitores belgas a produção literária da África pelos Africanos.

As obras a serem apresentadas foram organizadas seis coleções, a saber: romances e contos, quadrinhos, livros infantis, ensaios, línguas africanas e manuais escolares.

Haverá uma homenagem especial “ao rei do riso”, Mangobo, primeiro comediante do Congo, parte do trio Monzali, Lokuli e Mangobo, que foi uma espécie de “Os Trapalhões” do Congo. Aqui um vídeo encontrado no youtube:

http://br.youtube.com/watch?v=g7VZyIz0gCk

José Craveirinha "Grito negro"

=|=|=|=|=|=|=|=|=|=|=|=|=|=|=|=|=|=|
José Craveirinha (1922-2003); Moçambique.
=|=|=|=|=|=|=|=|=|=|=|=|=|=|=|=|=|=|

Grito negro

Eu sou carvão!
E tu arrancas-me brutalmente do chão
e fazes-me tua mina, patrão.
Eu sou carvão!
E tu acendes-me, patrão,
para te servir eternamente como força motriz
mas eternamente não, patrão.
Eu sou carvão
e tenho que arder sim;
queimar tudo com a força da minha combustão.
Eu sou carvão;
tenho que arder na exploração
arder até às cinzas da maldição
arder vivo como alcatrão, meu irmão,
até não ser mais a tua mina, patrão.
Eu sou carvão.
Tenho que arder
queimar tudo com o fogo da minha combustão.
Sim!
Eu sou o teu carvão, patrão.